Opinião
Newsletter nº3/2021

Exportações de móveis para o Reino Unido: crescimento e oportunidades

Cândida Cervieri, Diretora Executiva da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário

As exportações brasileiras de móveis e colchões somaram números expressivos este ano. Fecharam o primeiro semestre de 2021 com um avanço de 72,1% em relação ao mesmo período de 2020. Os resultados consolidados a partir da explosão na venda global de móveis em junho do ano passado confirmam a solidez nas exportações moveleiras nacionais, com aumento na quantidade de peças exportadas também nos últimos 12 meses: +41,3%. Nesse cenário, os negócios no setor com o Reino Unido, que haviam variado significativamente nos meses anteriores, voltaram a estabilizar-se, mantendo o mercado britânico como um dos maiores importadores de móveis, especialmente de madeira e estofados, fabricados no Brasil.

Os indicadores são do estudo “Monitoramento das Exportações de Móveis e Colchões”, desenvolvido pelo IEMI (Inteligência de Mercado para a ABIMÓVEL – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário) e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). As instituições organizaram o Projeto Setorial Brazilian Furniture, de fomento à exportação e à internacionalização de nossas marcas e produtos.

Reino Unido é um dos principais destinos dos móveis brasileiros no exterior

Sexta maior produtora e 28ª maior exportadora de mobiliário no mundo, a indústria de móveis brasileira exporta para cerca de 120 mercados. Os Estados Unidos continuam na liderança como o principal importador. Em seguida aparece o Chile, que assumiu a segunda posição nos últimos meses, deixando o Reino Unido na terceira colocação.

O mercado britânico, no entanto, voltou a demonstrar números promissores no final do primeiro semestre de 2021, apresentando avanço de 60% em junho sobre maio; 44,6% no acumulado de janeiro até junho deste ano; e 17,4% nos últimos 12 meses. Desenha-se, assim, processo de recuperação nas categorias “móveis de madeira” e “estofados”. Veja a evolução por segmento:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por dentro do mercado britânico: oportunidades para a indústria brasileira de móveis

Segundo o levantamento “Reino Unido - Móveis 2021”, publicado pela Apex-Brasil e desenvolvido junto à Euromonitor International, as vendas de móveis em valor no mercado doméstico do Reino Unido contabilizaram US$ 19,4 bilhões em 2020. Tal resultado representa queda de 3,3% em relação a 2019, número que se justifica, entre outras questões, pelo fechamento do comércio físico em diferentes momentos do ano passado.

Com o avanço nos planos de vacinação e de reabertura total do país, combinado ao aquecimento do setor de móveis em todo o mundo, a expectativa é que as vendas de mobiliário no mercado britânico já comecem a se recuperar a partir deste ano, com crescimento médio anual previsto de 1,4% até 2024. As novas oportunidades derivadas dessa tendência abrem espaço para empresas de outros mercados satisfazerem parte considerável da demanda, com a dependência produtiva do Reino Unido em relação às importações tendo aumentado para 40% em 2020.

Outra oportunidade para a indústria de móveis brasileira no Reino Unido está nos quesitos qualidade e sustentabilidade. A cadeia moveleira britânica vem buscando adotar soluções ecológicas, utilizando materiais reciclados e matérias-primas naturais sustentáveis, como madeira, revestimentos e couros, amplamente disponíveis no Brasil. Esses fatores, além do quesito design integrado à indústria, deverão contribuir para o posicionamento dos exportadores brasileiros neste mercado-alvo. Os móveis para quartos de dormir e cadeiras, assentos, sofás e poltronas são os tipos de mobiliário mais consumidos por lá.

Os especialistas da Euromonitor International referem-se também ao fato de que, ao se retirarem da União Europeia, o Reino Unido firmou acordo comercial com o bloco europeu, em dezembro de 2020, e com outros países, inclusive latino-americanos – por exemplo, fechou acordo com nações da Comunidade Andina (Colômbia, Peru e Equador). No âmbito do V Diálogo Estratégico Brasil-Reino Unido, os dois países concordaram em acelerar os preparativos para um futuro acordo de livre comércio.

Por meio do Projeto Setorial Brazilian Furniture, a ABIMÓVEL e a Apex-Brasil oferecem um conjunto de ações estratégicas para incrementar a competitividade da indústria de móveis brasileira em diversos mercados-alvo, incluindo o Reino Unido. Em setembro, as entidades promoveram ações conjuntas em Milão, no que terá sido a maior participação do setor de móveis brasileiro tanto no Salone del Mobile quanto no Fuorisalone, principais eventos do calendário moveleiro mundial. A indústria e o design brasileiro vão-se afirmando nos mais importantes mercados do planeta.

O projeto já tem também suas próximas ações previstas nos Estados Unidos, durante a High Point Market e a International Contemporary Furniture Fair, em Nova York. Planejam-se, do mesmo modo, missões comerciais para a Expo Dubai, nos Emirados Árabes, e participação na alemã IMM Cologne, entre outras. Eventos em Londres, na Inglaterra, também aparece no radar do projeto. Em sua atual fase, o Brazilian Furniture conta com cerca de 170 empresas que possuem acesso a informações de Inteligência Comercial e Competitiva, Feiras e Missões Internacionais, Projetos Comprador e Vendedor, Projeto Imagem, entre outras inúmeras ações no exterior. Conheça mais sobre o projeto e associe-se: www.brazilianfurniture.org.br.

MÓVEIS: O NOSSO NEGÓCIO!

Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário - ABIMÓVEL