Fique de Olho
Newsletter nº3/2021

Fique de Olho! Oportunidades para o setor de Casa e Construção

Bruno Capuzzi, Analista de Acesso a Mercado - Apex-Brasil Europe

Patrícia Steffen, Analista de Acesso a Mercado – Apex-Brasil

 

Casa e Construção

A categoria “Casa e Construção” é utilizada pela Apex-Brasil para agregar alguns subsetores para fins promocionais e analíticos. Nele, concentram-se produtos relacionados a móveis, rochas ornamentais, madeiras para construção, produtos cerâmicos, e diversos itens ornamentais.

Com base no cruzamento de dados anuais de comércio internacional de Brasil e Reino Unido, foram identificados três subsetores com oportunidades mercadológicas, sendo eles i) móveis; ii) rochas ornamentais; e iii) madeiras. Essas oportunidades foram analisadas dentro de um escopo temporal de cinco anos (2016-2020). Cada um desses subsetores serão aqui apresentados em blocos descritivos em análise qualitativas e quantitativas.

Móveis

O Reino Unido representa o segundo maior mercado de móveis na Europa, atrás somente da Alemanha. Para fins de classificação, o subsetor de móveis é composto por 32 subposições tarifárias (SH6) do Sistema Harmonizado de classificação de mercadorias destinadas a móveis de madeira, metal ou plástico para utilização de diversos fins, como dormitórios, sala, cozinha e suas partes.

As importações de móveis do Reino Unido somaram US$ 8,3 bilhões em 2020 e apresentaram queda média anual de 1,1% entre 2016 e 2020, mantendo-se relativamente estável apesar da pandemia.  Em 2020, foram registrados, no Reino Unido, aumentos das importações de móveis de madeira de escritório, móveis de plástico e assentos de metais, movimentos estes que atenuaram a queda nas importações totais do setor.

As exportações de móveis brasileiros para o Reino Unido somaram US$ 54,5 milhões em 2020, e representaram 7,7% do total exportado pelo Brasil no setor. Com significativa queda média anual (9,5%) entre 2016 e 2020, as exportações brasileiras registraram potencial quase duas vezes maior em 2015, US$ 90,5 milhões, indicando mercado com potencial aumento de oferta. Os principais produtos exportados pelo Brasil para o mercado britânico foram móveis de madeira, como itens destinados a dormitórios, cozinhas, e assentos estofados.

Os assentos estofados com armação de madeira foram os produtos brasileiros do setor que mais aumentaram as exportações anuais ao Reino Unido em 2020, em 118%. Os demais produtos exportados apresentaram queda durante a pandemia, principalmente móveis para dormitórios que tiveram redução de 20%, e outros móveis de madeira, com diminuição de 10%.

De forma geral, China, Polônia e Itália são os principais fornecedores de móveis ao Reino Unido. Em relação às exportações de artigos para dormitórios, principal produto exportado pelo Brasil a este mercado, a China é o principal fornecedor seguido da Malásia, Polônia e Vietnã, sendo o Brasil o quinto maior fornecedor do produto para o país em 2020.

Sobre as tendências atuais, foram identificadas oportunidades para móveis sustentáveis, como aqueles que utilizam materiais naturais e reciclados, amplamente disponíveis no Brasil. Além disso, o mercado de móveis do Reino Unido deve se recuperar em 2021, com crescimento médio anual previsto de 1,4% no período de 2020 a 2024.

Rochas ornamentais

O setor de Rochas Ornamentais congrega 12 subposições (SH6) que correspondem às ardósias, mármores, granito e outras pedras calcáreas. O Reino Unido importou um total de US$ 331 milhões destes produtos em 2020, e embora o Brasil tenha registrado exportações totais superiores a US$ 330 milhões, no mesmo período, somente 5,7%, pouco mais de US$ 19 milhões, foram destinadas ao mercado britânico. Mesmo com baixa participação percentual, as exportações brasileiras mantiveram números gerais constantes no mercado britânico, com alguns casos de expansão das vendas. Serão analisados os casos das ardósias e granitos.

Ardósias

Duas subposições sobressaíram na análise do mercado de importação britânico, a SH 2514.00 para a ardósia cortada; e aquela dedicada para o produto trabalhado e suas obras, a SH 6803.00.

Em 2020, as importações do produto bruto (ardósia cortada) registraram um recuo de 4,2%, porém o montante (US$ 26,6 milhões) foi 56% superior àquele observado em 2016. Em 2020, a participação brasileira na importação britânica foi de minimis (0,4%), em cerca de US$ 110 mil, representando, contudo, cerca de 15% do total exportado pelo Brasil na subposição, com espaço, portanto, para expansão.

Já as ardósias da subposição para os produtos trabalhados e suas obras (SH 6803.00) registraram um mercado de importação nominalmente elevado no Reino Unido em 2020 (USD 120 milhões), embora tenha recuado (7,8%) em comparação a 2019. Esse valor é, contudo, 8,3% mais elevado em relação àquele observado em 2016. Por se tratar de classificação tarifária de produtos de maior valor agregado, projeta-se um possível aumento de manufatura para exportação caso a demanda se reaqueça. Para esses produtos, foram registrados preços médios de exportação de US$ 0,37/Kg nas vendas totais brasileiras, frente ao valor médio de US$ 0,26/Kg do produto cortado e não trabalhado. O produto trabalhado brasileiro representou cerca de 15% do total importado pelo Reino Unido nos últimos 3 anos, já tendo registrado percentuais de mais de 30% em 2017. Estes dados indicam a competitividade do produto brasileiro em condições para expandir suas vendas atuais.

Granitos

A análise mercadológica de importação de granitos no Reino Unido identificou duas subposições de destaque, a SH 2515.20 para o produto bruto, e a SH 2516.12 para o produto cortado em blocos ou placas. Em ambos os casos o Brasil não possui registros recentes de exportação para este mercado, mas apresentou, contudo, em 2020, exportações para outros mercados no valor de US$ 2,7 milhões no caso do produto bruto e US$ 118 milhões para o produto cortado. Essas exportações registraram, em 2016, montantes consideravelmente maiores, de US$ 11 milhões (bruto) e US$ 177 milhões (cortado), indicando potencial de retomada das vendas externas no período pós-pandemia. Com relação aos preços médios praticados em 2020, o produto bruto registrou vendas ao redor de US$ 0,22/Kg, enquanto o produto cortado de US$ 0,15/Kg.

Madeiras

O subsetor de madeiras para construção engloba três categorias de produtos: i) madeiras compensadas; ii) madeiras laminadas; e iii) madeiras serradas que somam 27 subposições (SH6) do sistema harmonizado de classificação de mercadorias. Em 2020, as importações totais desses produtos no Reino Unido registraram um recuo de 4,3% em comparação ao ano anterior, com cifras totais de US$ 2,5 bilhões das quais as exportações brasileiras representaram certa de 3%, US$ 72,9 milhões. As vendas brasileiras a esse mercado tiveram, contudo, um aumento de 31% se comparadas a 2019 e representam apenas 5% do total exportado pelo Brasil nessas mesmas subposições, o que pode configurar um potencial aumento do desempenho exportador brasileira. Nesse sentido, serão apresentados os casos de 3 subposições com distintivo potencial para madeiras compensadas e serradas.

Madeiras compensadas

A subposição 4412.39 para as madeiras compensadas de espessura não superior a 6 mm registrou US$ 736,9 milhões de importações no Reino Unido em 2020, representando um recuo de 4,8% em relação a 2019. O crescimento do mercado de importação desse produto é, contudo, notável se comparado aos dados de 2016, com os quais 2020 representou um aumento de mais de 250%. Mesmo com a redução das importações totais entre 2019 e 2020, as vendas brasileiras e esse mercado foram majoradas em 26,6% com aumento de participação relativa em 4,3 pontos percentuais. Os cerca de US$ 76,6 milhões exportados ao Reino Unido em 2020 representam menos de 4% das vendas totais do Brasil, indicando escala para potencial incrementos nas vendas.

Madeiras serradas

Duas subposições de madeiras serradas destacaram-se nas vendas do Brasil ao Reino Unido em 2020, uma para madeira de pinheiro e outra de cedro. A subposição 4407.11 das madeiras serradas/fendidas, de pinheiro, de espessura não superior a 6mm registrou aumento (2,6%) nas importações britânicas em 2020, US$ 501,2 milhões, dos quais o Brasil teve uma participação mínima de 0,01% (US$ 43 mil). As exportações totais brasileiras desses produtos no período foram, contudo, de US$ 533,8 milhões, sugerindo uma performance exportadora com potencial de expansão ao mercado britânico.

Já na subposição 4407.29 das madeiras de cedro serradas/fendidas de espessura não superior a 6mm, as importações totais do Reino Unido decresceram em 18% e 24% em 2020 (US$ 16,2 milhões) em comparação com 2019 e 2016. Não obstante, as vendas do produto brasileiro foram majoradas em 46,8% e em mais de 1.000% se comparadas com 2019 e 2016, respectivamente, totalizando US$ 4,3 milhões em 2020. A cifra representa 4,2% do total exportado pelo Brasil nessa subposição no período, sugerindo ainda um potencial mercado para continuidade de expansão após a retomada econômica esperada para o período pós-pandemia.

 

Saiba Mais!

A Embaixada do Brasil em Londres auxilia diretamente empresas já exportadoras e aquelas que almejam iniciar exportação ao mercado britânico. Comunique-se com a Embaixada pelo e-mail secom.london@itamaraty.gov.br.

A Gerência de Inteligência de Mercado da Apex-Brasil disponibiliza uma série de painéis para auxiliar o exportador a identificar as melhores oportunidades para seus produtos. No Mapa de Oportunidades para as Exportações Brasileiras, você encontrará dados de comércio detalhados e oportunidades identificadas em centenas de mercados para o seu produto. Questionamentos podem ser direcionados ao e-mail gim@apexbrasil.com.br.