Fique de Olho
Newsletter nº2/2020

                                    Que oportunidades as novas tarifas britânicas trazem para o Brasil?

                                      Bruno Capuzzi, Analista de Acesso a Mercado - Apex-Brasil Europe

                                      Luiza Olmedo, Analista de Inteligência de Mercado – Apex-Brasil

 

Você exporta para o Reino Unido? Já exporta e avalia que tem condições de exportar mais? O Brexit poderá abrir mais oportunidades para você. Fique de olho.

Esta seção da nossa Newsletter tem exatamente o objetivo de destacar produtos ou setores da pauta de exportações brasileiras que poderão ser beneficiados com a saída do Reino Unido da União Europeia. Queremos ajudar você a ficar de olho nas oportunidadesdo Brexit para quem produz no Brasil.

No primeiro número da Newsletter, a seção Fique de Olho abordou as oportunidades para as exportações brasileiras de frutas frescas ao mercado britânico. Neste segundo número, as oportunidades são analisadas ao partir do cruzamento de dois eixos: (i) as reduções tarifárias decorrentes da saída do Reino Unido da UE; e (ii) a competitividade das exportações brasileiras em relação às importações britânicas.

 

QUAL A BASE DA NOSSA ANÁLISE?

Com a saída da União Europeia, um novo perfil tarifário estará em vigor no Reino Unido a partir de janeiro de 2021. São as tarifas do UK Global Tariff, a serem aplicadas àqueles parceiros com os quais o país não detém acordos preferenciais – caso, atualmente, do Brasil. Algumas dessas novas tarifas representam somente uma conversão de moedas (de euros em libras esterlinas), sobretudo no caso de tarifas específicas. Em muitos casos, no entanto, o percentual ad valorem (%) aplicado às importações foi alterado. Nesta análise, adotou-se metodologia que considera reduções tarifárias, ad valorem, como oportunidades de exportação.

Para melhor identificar os produtos efetivamente competitivos da pauta brasileira que se beneficiarão com as alterações nas alíquotas de importação do Reino Unido, foram usadas duas bases de dados principais: a planilha da UK Global Tariff, que apresenta a novas tarifas a serem aplicadas no Reino Unido e compara com a TEC da UE; e a planilha do Mapa de Oportunidades Apex-Brasil para o Reino Unido.

A metodologia do Mapa de Oportunidades Apex-Brasil, com base em dados comerciais do Brasil e do mundo, indica os produtos (códigos SH6s) exportados para o Reino Unido em que o Brasil apresenta maior competitividade. Ou seja, os produtos brasileiros que já detêm uma parcela relevante do mercado britânico ou aqueles que o Brasil ainda não destina ao Reino Unido, mas cujas exportações para outros países do mundo são significativas.

Assim, foram selecionados todos os produtos (SH6s) classificados como oportunidades por essa metodologia e identificadas as maiores quedas tarifárias. Para garantir o foco em produtos representativos da pauta brasileira, foram incorporados os valores exportados pelo Brasil para o Reino Unido em 2019.

 

O QUE SE CONCLUI?

De acordo com a metodologia aplicada, foram identificadas oportunidades competitivas e mercadológicas para 3 setores principais:(i) materiais elétricos e eletrônicos; (ii) calçados e couro; (iii)produtos das indústrias químicas.

É importante observar que as oportunidades para gêneros agrícolas, produtos nos quais o Brasil apresenta forte competitividade, não são destaque nesta análise. Isso se explica pelo fato de que a maioria das tarifas desse setor, que são específicas, foram, no novo perfil tarifário britânico para o pós-Brexit – que veremos a seguir –, apenas convertidas de euros emlibras, sem redução efetiva da alíquota.

Desta vez, daremos particular atenção aosmateriais elétricos e eletrônicos; em números futuros, serão analisados outros setores de destaque.

 

MOTORES ELÉTRICOS

Os produtos brasileiros mais exportados para o mercado britânico no que diz respeito ao setor de materiais elétricos e eletrônicos são os motores elétricos polifásicos de corrente alternada, de modo que serão o foco desta análise. Destacaram-se como oportunidades para o Brasil, na categoria 3,subposições de motores elétricos polifásicos de corrente alternada: (i) com potência até 750W (SH6 850151); (ii) com potência entre 750W e 75kW(SH 850152); e (iii) com potência acima de 75kW (SH6 850153).

Nas subposições ressaltadas, o Reino Unido importouum total de US$ 233,2 milhões em 2019, estabelecendo-se como o 18º maior mercado mundial. No mesmo ano, o Brasil exportou no total US$ 453,54 milhões desses produtos, dos quais 31,1% (US$ 140,82) foram destinados à União Europeia, e 3,9% (US$ 17,69 milhões), ao Reino Unido. Assim, a participação do Brasil nas importações britânicas foi de 7,5%, sendo o 4º maior fornecedor (atrás de Alemanha, China e EUA).

Para todas as subposições de motores elétricos polifásicos de corrente alternada, o imposto de importação da União Europeia é de 2,7% (com exceção dos motores usados na aviação civil, que já são isentos). A partir de janeiro de 2021, contudo, todas as linhas tarifárias desses produtos terão os impostos de importação zerados no Reino Unido.

Dessa forma, podem emergir vantagens para o Brasil, especialmente frente aos competidores europeus, que já se beneficiavam da isenção tarifária e tradicionalmente dominam o mercado. As informações específicas de cada produto serão apresentadas de acordo com cada subposição, em ordem decrescente de valor das exportações brasileiras.

 

SH6 850152 - Outros motores elétricos de corrente alternada, polifásicos, de potência > 750 W e <= 75 kW

Em 2019, os motores dessa potência foram os mais enviados do Brasil para o Reino Unido, representando 80% das exportações de motores polifásicos de corrente alternada. A categoria, de acordo com a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), é subdividida em motores com rotor de gaiola (NCM 8501.52.10), com rotor de anéis (NCM 8501.52.20) e outros motores polifásicos (NCM 8501.52.90). Somadas essas 3 modalidades, o Brasil exportou para o mundo, em 2019, US$223,44 milhões. Desse total, 38% (US$ 85,23 milhões) foram direcionados à União Europeia e 6,3% (US$ 14,18 milhões), ao Reino Unido. Os motores com rotor de gaiola (NCM 8501.52.10) concentraram praticamente a totalidade (99,7%) das exportações brasileiras da subposição SH6 850152.

Já os britânicos importaram um total de US$ 122,32 milhões em produtos da subposição SH6 850152 em 2019. Conforme a subdivisão aplicada pelo Reino Unido (que se diferencia daquela aplicada no Brasil e no Mercosul), a maioria das importações foi de motores de potência entre 750w e 7,5 kw (52%), seguidos daqueles com potência entre 7,5kw e 37kw (32%) e, por fim, daqueles com potência entre 37kw e 75kw (16%). O Brasil sobressai na fatia de potência média (7,5kw e 37kw), com exportações para o Reino Unido em 2019 de US$9,07 milhões (25% das importações). 

O principal fornecedor do Reino Unido de produtos da subposição SH6850152, em 2019, foi a Alemanha, que dominou quase um terço do mercado (32%). O Brasil ficou em 2º lugar, com 15,6% das importações, muito próximo da China, que deteve 15,1% do mercado. Nesse contexto, chama atenção a competitividade dos produtos brasileiros, que chegaram ao mercado britânico com uma média de preços de US$4,2/kg, bem abaixo da média do produto alemão (US$10,6/kg) e dos produtos importados em geral (US$6,9/kg). O único país que apresentou um preço médio mais atraente do que o brasileiro foi a China (US$ 3,5/kg). Assim, a redução da tarifa de 2,7% (TEC da União Europeia) para 0% em todos os produtos dessa categoria a partir de 2021 pode representar uma vantagem para as exportações brasileiras.

 

SH6 850153 - Outros motores elétricos de corrente alternada, polifásicos, de potência > 75 kW

Em 2019, a subposição dos motores de potência acima de 75 kW representou 17% do total de motores polifásicos de corrente alternada exportados do Brasil para o Reino Unido. Os produtos dessa potência subdividem-se, segundo a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), em motores trifásicos com potência até 7.500 kW (NCM 8501.53.10), entre 7.500 kW e 30.000 kW (NCM 8501.53.20), e outros motores polifásicos (NCM 8501.53.90).

Em 2019, Brasil exportou mais de US$ 219 milhões em motores elétricos da subposição SH6 850153, sendo quase a totalidade (96%) registrada na NCM 8501.53.10, motores trifásicos com potência de até 7.500 kW. Destes, US$ 2,9 milhões foram destinados ao Reino Unido, ou cerca de 1,38%.  Nos demais detalhamentos, NCM 8501.53.20 (motores trifásicos com potência entre 7.500 kW e 30.000 kW) e NCM 9501.53.90 (outros motores polifásicos com potência acima de 75 kW) não foram registradas vendas ao mercado britânico.

No mesmo período, o Reino Unido registrou US$ 51,5 milhões de importações na subposição SH6 850153. Com uma classificação fiscal diferente daquela em vigor no Mercosul e usada pelo Brasil, 32% da importação britânica foi registrada como motores de tração. Entre estes, que são os motores usados para propulsão de veículos e elevadores, não foram computados produtos originários do Brasil. Excluídos os motores de tração, o Brasil exportou US$ 2,46 milhões em motores trifásicos com potência entre 75 kW e 375 kW. Outros US$ 601 mil foram registrados como motores trifásicos de potência entre 375 kW e 750 kW, e por último US$ 430 mil foram exportados em motores polifásicos com potência acima de 750 kW. Em todos os casos, a tarifa de importação britânica será eliminada a partir de 2021. Atualmente, essas exportações brasileiras são taxadas em 2,7%, segundo a tarifa aplicada pela União Europeia.

 

SH6 850151 - Outros motores elétricos de corrente alternada, polifásicos, de potência <= 750 W

Em 2019, os motores dessa potência (menores do que 750 W) representaram apenas 3,3% do total de motores polifásicos de corrente alternada exportado do Brasil para o Reino Unido, e subdividem-se em motores trifásicos com rotor de gaiola (NCM 8501.51.10), com rotor de anéis (NCM 8501.51.20), e outros motores polifásicos (NCM 8501.51.90). Não havendo divisão semelhante no código tarifário britânico, na exportação para o Reino Unido esses produtos são classificados simplesmente como 8501.51.00. Ao longo do período de transição do Brexit, essas exportações serão taxadas em 2,7%, de acordo com a tarifa aplicada pela União Europeia; a partir de 2021, contudo, o imposto de importação será zerado (0%).

Em 2019, o Brasil exportou US$ 10 milhões em motores elétricos da subposição SH6 850151, sendo cerca de US$ 575 mil para o Reino Unido, pouco mais de 6%. Já o Reino Unido importou, no mesmo período, US$ 48 milhões em motores da referida subposição. O principal fornecedor nesse mercado é a Alemanha (49%), seguida por França (7,6%) e China (7,1%). O Brasil é o 11º país nessa lista, com 1,5% do mercado importador britânica. O preço médio do produto brasileiro (US$ 4,09/Kg) é, todavia, competitivo em relação aos principais concorrentes europeus, Alemanha (US$ 18,74/Kg) e França (US$ 25,28/ Kg), e equiparável ao preço do produto chinês (US$ 4,28/Kg).

 

SAIBA MAIS!

A Gerência de Inteligência de Mercado da Apex-Brasil disponibiliza uma série de painéis para auxiliar o exportador a identificar as melhores oportunidades para os seus produtos. No nosso Mapa de Oportunidades para as Exportações Brasileirasvocê encontrará dados de comércio detalhados por SH6 (6 primeiros dígitos do NCM) e classificações de oportunidades identificadas em centenas de mercados para o seu produto. Além disso, há informações tarifárias e de medidas de defesa comercial aplicadas contra o Brasil.

Oferecemos, ainda, um painel semelhante para as oportunidades nos Estados Unidos, o Mapa de Oportunidades EUA, destrinchadas por estado norte-americano, e um painel para acompanhamento mensal dos resultados comerciais brasileiros a partir da crise desencadeada pelo coronavírus, o painel COVID-19. No nosso site você encontrará também estudos de mercado sobre diversos setores em diferentes países. Para mais informações, entre em contato pelo e-mail apexbrasil@apexbrasil.com.br.